segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Nova Pesquisa Doxa - Marituba 2020

Chegando na reta final de campanha, as pesquisa começar a construir os cenários mais evidentes para as eleições, agora cabem aos partidos e aos candidatos, arrumarem suas estratégias eleitorais para se movimentar na última semana de campanha.

Em Marituba, a Pesquisa Doxa, chegou com números que apontam um empate técnico com os três primeiros colacados, não seu dizer exatamente que são os candidatos, mas as escolhas do povo de Marituba definitivamente não são dos meus anseios, mas espero que o povo maritubense, possa sobreviver ai que virá!

Na pesquisa Doxa, realizada no município de MARITUBA mostra a disputa eleitoral acirrada no município entre os candidatos Everaldo Aleixo, Patrícia Mendes e Batista. A pesquisa está registrada no T.R.E sob o nº PA 05666/2020, tendo uma amostra de 600 entrevistas com uma margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos na pesquisa. O levantamento foi realizado em todos os bairros da cidade. 

Em todo caso vamos aos números...


Vale destacar que o atual candidato do prefeito Mario Filho segue em terceiro, o que podemos esperar para o final, a máquina da prefeitura vai entrar em ação, ou apenas os líderes da pesquisa vão se manter na frente, mas a campanha em Marituba sempre é considerada uma incógnita até o dia da eleição!

Quando se estimula, Everaldo Aleixo sobe para 28,8% das intenções de voto. Em segundo lugar vem Patrícia Mendes com 24,2%.; em seguida vem Batista com 22,6%. Mello está com 8,6%. Roberto Alcântara aparece com apenas 1,8%; seguido de Jorge Santa Brígida, 1,7%. Bruno Santiago tem 0,5%. Branco/Nulo somam 8,0% e indecisos, 3,8%.

Em se tratando de rejeição, a pesquisa mostra Patrícia Mendes com 28,4% de rejeição, seguido por Melo que obteve 25,8%. Batista é o terceiro mais rejeitado com 18,5%. Depois vem Everaldo Aleixo com 13,6%. Roberto Alcântara aparece em rejeição com 4,6%; Jorge Santa Brígida, 2,8%; Bruno Santiago, 1,0%. 1,3 % não rejeitam nenhum candidato e 4,0% não opinaram. 


Não sei exatamente como se dará o dia da eleição, com a pandemia, e com a decisão do Justiça Eleitoral, além da própria legislação já existentes, a tendência é que sejam mornas, quase paradas, mas moradores de Marituba, lembre-se que a escolha de vocês nesse domingo valerá por 04 anos, e a pesquisa não é uma simulação de eleição, você devo votar em que realmente vocês acreditam e não a quem oferece algo em troca.


Marcelo Bastos





quarta-feira, 4 de novembro de 2020

A REVOLUÇÃO É FEMINISTA!!!!!!!

 Dia 03 de novembro de 2021

 


Hoje faz um ano que um dos maiores absurdos da história humana aconteceu. Despois de ser drogada e estuprada, Mariana Ferrer, no tribunal além de ser humilhada, coagida e sofrer ataques do advogado do réu, do promotor de justiça e do Juiz, o abusador o empresário André de Camargo Aranha, foi condenado por crime de estupro culposo, onde a culpa por ter sido estuprada foi da vítima.

Após uma onda de protesto na internet e redes sociais, mulheres de todo o país começaram a organizar atos de protestos reais e virtuais. Uma das primeiras manifestações ocorreu em Belém do Pará, no dia 08 de novembro do ano passado, milhares de mulheres se reuniram em protesto, e seguiram em caminhada pelas ruas de Belém, havia uma preocupação com o fato da cidade estava começando um novo ciclo do Corona Vírus, mas mesmo assim, foi uma passeata gigante.

A passeata começou a percorrer as ruas de Belém, e a cada metro caminhado mais e mais mulheres se juntava a passeata, todas queriam participar, uma forte emoção tomava conta de todas, eu lembro como se fosse hoje, eu estava lá! E assim entoando cânticos de guerra, de revolta e de ação, as mulheres da cidade, tiraram um posicionamento: ficariam nas ruas até a sentença ser removida e o estuprador for condenado e preso.

Decisão que ressoou na organização da passeata, logo chamaram as lideranças, havia um certo consenso que não se podia ficar na rua por tanto tempo, não acreditavam que essa atitude seria válida ou teria algum resultado, logo do carro de som, vinha o comando de continuar a passeata, mas que ela finalizaria na Praça da república, logo rechaçado por todas as mulheres que estavam na rua lutando pela sua dignidade.

O comando então tomou a decisão de dispersar, e mandou o carro som embora, e de repente 50 mil mulheres estavam nas ruas, sem direção, apenas com o desejo de justiça!

A primeira noite foi de descobertas, elas se permitiram governar seus atos, de perceber que dessa união viria uma força jamais vista, se descobriram revolucionárias!





Logo, após a saída do comando, que em sua maioria eram compostas de militantes partidários de esquerda, as mulheres perceberam que não podiam confiar em que pudesse priorizar o processo eleitoral próximo, as eleições municipais eram a prioridade de algumas, e logo perceberam que tinham que construir um novo comando, ali e agora.

Enquanto elas se mantinham na luta, a solidariedade aumentava, logo mais mulheres chegavam, e com elas filhos e filhas, estudantes, trabalhadores, ao final da primeira noite já eram mais de cem mil nas ruas de Belém.

Um grande acampamento fora improvisado, enquanto umas descansavam outras gritavam por justiça e assim o primeiro dia passou, a cidade abraçou a luta das mulheres, mesmo com a PM querendo toda hora provocar um confronto, elas se mantiveram firmes em seu propósito, e assim, passou o primeiro dia, agora com um novo comando, que precisava dar respostas, e a cada hora mais gente chegava, e aumentava o caos no centro da cidade, já eram quase 200 mil no protesto!

A noite foi organizada uma reunião, agora sob o comando eleito na manifestação, e com diversos trios elétricos espalhados pela centro da cidade, que fora tomando por um ar de revolta, de uma busca frenética por justiça, elas decidiram ficar ali na luta. A essa altura dos acontecimentos, manifestações semelhantes aconteciam simultaneamente em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis, Fortaleza, Salvador e Recife, uma onda de mulheres na ruas protestando em todo o Brasil.

Só havia uma única certeza, não sairiam das ruas enquanto não conseguissem seus objetivos!

Passados já dois dias, uma onda revolucionária toma conta do País, quase todas as capitais estão tomadas por mulheres, e o CNJ, em uma medida inédita, anula o julgamento e remarcar outro para decisão do STF, de nada adiantou, as mulheres não sairiam  mais das ruas, elas decidiram que em suas mãos estavam a verdadeira luta por justiça e igualdade, era um caminhos sem volta.

Toda a atividade produtiva parou, os transportes públicos colapsaram, e ainda sim, houve uma redução de contaminados por corona vírus, afinal a organização das manifestações tomavam todos os cuidados para se manterem nas ruas, e assim, a cada dia a luta se mostrava o único caminho!

Uma onda de solidariedade tomou conta dos explorados, o MST distribuía comida gratuita para todos os manifestantes, e em alguns locais, a organização do evento fazia coletas financeiras e compravam alimentos que eram feitos em cozinhas improvisadas no meio da rua, mais muitas iam e voltava de casa, com mais ajuda para todas que ficaram, na Avenida Paulista quase dois milhões de mulheres estavam nas ruas.

Agora não era só uma luta para punir um estuprador, mas a luta por uma sociedade mais justa e pelo fim do patriarcado!

A revolução é feminista!

 

...... (continua)

 

Obs.; Texto fictício, mas com um enorme desejo que se torne real!

 

 

 

domingo, 1 de novembro de 2020

Pesquisa DOXA aponta que não haverá segundo turno em Ananindeua

A mais nova pesquisa DOXA sobre a corrida para prefeitura Municipal de Ananindeua mostra que, se persistir os atuais números, não haverá segundo turno em Ananindeua, o Dr. Daniel, tanto na pesquisa espontânea como na estimulada lidera com folga sobre a soma dos adversários, o que em tese significa que há de fato uma consolidação do Dr. Daniel na pesquisa.



Do mesmo modo, verificou-se a rejeição dos candidatos e expectativa de vitória.




Se percebe que na avaliação do prefeito, do governado e do Presidente da república, há de fato um desgastes, mas ainda sim, os números revelam que com a vitória em primeiro turno do Dr. Daniel a hegemonia do barbalhismo na área metropolitana se manterá, o que deve garantir uma reeleição confortável ao atual mandatário do Palácio dos Despachos. Enquanto Bolsonaro é rechaçado pelos eleitores de Ananindeua. 






Em outro momento, verificou-se a possibilidade, do eleitor em considerar a mudança de escolha na hora do voto, mas o resultado da pesquisa nos mostra que quase 70% dos eleitores já se decidiram pelo seu voto.



Obviamente que é uma pesquisa, e que mostra apenas um retrato de um período, serve apenas como referencia para o estrategistas de campanha tocarem seus planejamentos, mas contudo, as pesquisas de opinião se mostraram uteis para influenciar eleitores indecisos na hora de escolher o seu voto, o que temos que prestar atenção é que as pesquisas podem errar, o que não pode errar é a escolha nossa no dia da eleição.


Com relação a pesquisa

O universo da Pesquisa: População do município de Ananindeua, 525.566 habitantes – Estimativa IBGE 2020;
Estratos de controle: Pesquisa quantitativa aleatória domiciliar, estratificada por quotas de sexo, idade e área geográfica Distritos;
Amostra: 600 entrevistas individuais e domiciliares;
Margem de erro: 4%; Intervalo de Segurança de 95%;
Checagem: 20% da amostra aplicada ;
Questionário: Estruturado em perguntas abertas, fechadas e mistas;
Tratamento estatístico: software profissional SPSS v.
Período de coleta: 29 a 30/10/2020

Fonte: Doxa Pesquisa.


Marcelo Bastos.




segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Helder Fascista!


Nota de Repúdio as Torturas praticadas nos Sistema Carcerário no Pará a mando de Moro e Helder!

A cadela do fascismo está sempre no cio.



O capitalismo vive hoje uma nova aguda fase de crise. Se, por um lado, a destruição da URSS e do sistema socialista mundial parece afastar temporariamente o “perigo” de revoluções populares e socialistas, e a máquina de propaganda é mais capilar e eficaz do que nunca, por outro lado a vitória do capitalismo na transição de Século tornou mais evidente a real natureza do sistema e os seus limites históricos. Alastra o descontentamento com as políticas de empobrecimento generalizado, mais exploração, guerra permanente e atropelo sistemático de direitos e liberdades. Embora amplas massas não tenham ainda consciência da sua própria força, as classes dominantes têm pavor dessa possibilidade e receiam as revoluções que as condições objetivamente exigem. Por toda a parte o grande capital prepara os mecanismos de imposição da sua ditadura aberta, que possam vir a ser acionados num momento de particular necessidade.
A promoção sistemática de um feroz e multifacetado anticomunismo, a par de um belicismo sem freios, do autoritarismo, dos mecanismos de vigilância generalizada e repressão, da destruição sistemática das estruturas e princípios da ordem mundial instaurada após a derrota do nazifascismo, não são apanágio deste ou daquele setor do grande capital. A onda reacionária é geral. Trump joga de novo no nacionalismo, mas o mais perigoso e violento dos fascismos da atualidade chegou ao poder na Ucrânia com a conivência ativa dos EUA de Obama e da União Europeia ‘liberal’. As cada vez mais agudas rivalidades interimperialistas apenas parecem recompor-se quando se trata de combater os povos. Já Lenine advertira que «o imperialismo é a época do capital financeiro e dos monopólios, que trazem consigo, em toda a parte, a tendência para a dominação, e não para a liberdade. A reação em toda a linha, seja qual for o regime político; a exacerbação extrema das contradições» 8.
Hoje, o perigo maior de guerra vem das velhas potências imperialistas (EUA, UE) que pretendem preservar pela força o status quo e impedir a profunda alteração em curso da correlação de forças econômica, protagonizada pela ascensão de novas potências.
A situação atual não é, em geral, uma situação de ditadura aberta, e não é indiferente para a classe operária, para os trabalhadores e os povos, preservar e defender toda e qualquer liberdade ou direito existentes. Nem todos os partidos da burguesia são iguais. Mas o combate a ascensão da extrema-direita tem de ser feito sem ilusões sobre a real natureza das forças em presença.
A demagogia fascista de hoje tem paralelos com a do passado, proclamando a sua pretensa oposição à grande finança e ao capitalismo selvagem, ao mesmo tempo que procura canalizar o descontentamento e o renovado medo de empobrecimento, contra imigrantes e refugiados, trabalhadores sindicalizados, o movimento operário organizado e os comunistas. Alguns bodes expiatórios podem mudar: o papel reservado aos judeus há oito décadas é, em grande parte, hoje atribuído a muçulmanos (ou russos). Mas a essência do fenômeno é a mesma: dividir os povos, para melhor impor a todos a dominação do grande capital.
O impacto atual da demagogia fascistizante é tanto maior quanto parte importante do movimento operário e comunista se encontra ainda enfraquecido após as vitórias contrarrevolucionárias do final do Século XX, e nalguns casos, convertido à promoção de projetos ao serviço do grande capital, como é o caso da União Europeia.
Essa é a realidade do fascismo hoje no mundo, no Brasil a vitória de Bolsonaro é apenas mais um reflexo dessa realidade, desde o golpe que derrubou Dilma e prendeu Lula, o fascismo avanço a passos largos, a morte de Marielle, a reforma trabalhista e previdenciária, e o aumento da violência contra gays, negros e mulheres são apenas a ponta do iceberg do que o fascismo é capaz.
Contudo, dados do Ministério da Defesa, em seu portal da transparência já foram gastos mais de 100 milhões de reais em apenas 09 meses de governo para viagens e treinamento de pessoal no EUA e no Mundo. Valores que devem superar os 150 milhões até o final do ano.
O Estado brasileiro a serviço do fascismo começa a se adaptar as exigências políticas de seus mandatários, e todos que discursam contra viram adversário ou pior inimigos do estado, assim, após o golpe parlamentar e Jurídico, “com o STF e com tudo”, começa uma nova etapas de fascistização do Estado, as conquistas e direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras sendo caçados, professores sendo ameaçados, a caça aos progressistas e ao Comunistas já começaram.
O Fascismo se alimenta do medo, no Pará, após o massacre de mais de 50 detentos, sob ordem direta do fascista mor e atual governado do Estado, que sem a legitima proteção, colocou facções contrárias no mesmo pavilhão torcendo para que o inevitável acontecesse, e depois da tragédia uma intervenção do Ministério da Justiça, de Moro, a pedido de Helder.
As denúncias de torturas em vários presídios, entre eles podemos citar a comissão de direitos humanos da OAB que literalmente diz: Eles afirmam que houve uso de balas de borracha no primeiro dia da intervenção mesmo sem ter havido hostilidade dos detentos. Também tem sido usadas com frequência bombas de efeito moral. "Eles entraram com bomba, bomba de efeito moral, sem que houvesse qualquer reação dos presos. De longe, nossas roupas ficaram manchadas com o spray de pimenta, imagine os presos lá dentro. É muito parecido com cena do Holocausto, de campo de concentração, é muito degradante (choros dos depoentes). Quem está saindo de lá, está saindo de cabeça baixa, humilhado, com o psicológico todo abalado. Tem familiar com cópia do alvará na mão, mas tem preso que não está sendo liberado", relatou um agente.
E ainda prosseguem as denúncias “Os servidores reconhecem que havia antes alguns casos de violência em relação aos presos, mas garantem que após a intervenção isso se tornou a regra: "Antes, havia tortura? Havia sim, mas era pontual, isolado. Depois da intervenção federal, é generalizado. Os servidores não estão conseguindo dormir, estão tendo pesadelos. Os gritos ficam em nossa cabeça. Não é uma questão de apreço, não é uma questão de gostar dos presos, é uma questão de humanidade, de preservação da dignidade do ser humano (...). Parece que fizeram uma seleção de psicopatas e deram o direito a eles de se regozijar nos presos – o que a gente vê é a banalização do mal".
O Partido Comunista Brasileiro no Pará se junta a todos os setores progressistas para denunciar os casos de torturas, algumas novas técnicas sendo utilizadas, e o laboratório para testá-las foi o Pará, em um arguido plano de ação, que vai desde a morte de detentos do sistema carcerário no Pará até a mais cruel tortura psicológica, passando por crueldade e maus tratos, enfim, a situação chegou a tal ponto que até mesmo a justiça burguesa afastou o comandante da ação, embora Moro o tenha defendido abertamente e seus lacaios no Estado continuam os crimes contra a humanidade.
Temos a compreensão que não vamos sentir medo do fascismo, mas ele existe e está se organizando jurídica e parlamentar para modificar as leis que manterão eles no poder, trava-se o avanço da extrema-direita organizando a luta dos trabalhadores e povos pelos seus interesses, expondo a real natureza dessas forças e do sistema que as gera, as alimenta e – em casos extremos – as coloca no poder para afirmar da forma mais brutal o seu poder de classe.
Assim, denunciar a tortura como crime do Estado, é também denunciar Bolsonaro, Moro e Helder Barbalho, fascistas que comando as torturas, laboratório de métodos que usarão mais tarde, temos que ter a compreensão desses fatos para que possamos lutar contra o fascismo no Brasil e no Mundo.

Direção Estadual do Partido Comunista Brasileiro - PCB

Belém, 14 de Outubro de 2019.