quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Luta de Classes no PT: A Síndrome de Cinderela de Lula

Luta de Classes no PT: A Síndrome de Cinderela de Lula

Lula e Renan: a carruagem ainda não virou abobora.
Foto: Beto Macário/UOL

Os Marxistas tem a obrigação de toda vez que fizerem uma afirmação comprovar que ela corresponde a realidade, pois a cientificidade de nossas afirmações são produtos de um método científico, que parte da construção da teoria científica na formulação de hipóteses, na construção de problemas, em variáveis e objetivos, mas acima de tudo, tem o método dialético, com seus contornos como a negação da negação, a passagem da síntese para antítese e vice-versa, a transformação quantitativa em qualitativa e vice-versa e por fim o desenvolvimento desigual e combinado.

A realidade é produto de fatos sociais que se desenvolve progressivamente ou não, pois os elementos que os compõe em diversos momentos podem ser contraditórios e até mesmo irreconciliáveis, pois os interesses de classes envolvem essa realidade e a disputa política de seus agentes é que move a sociedade, entre os interesses dos explorados e dos exploradores se constrói e realidade!

E a realidade nem sempre é tão fácil de ser compreendida, como explicar para a população brasileira que apoia Lula e o PT e são contra o golpe orquestrado pelas elites e que teve como protagonista o PMDB, se agora Lula anda a tiracolo com Renan Calheiros, um dos maestros do golpe parlamentar?

A confusão que isso gera na cabeça e no coração de milhares de militantes, de seguidores e de lutadores sociais é o tema desse pequeno artigo, pois precisamos esclarecer que essa postura, para além da educação burguesa de Lula e para além das alianças eleitorais, tem um pano de fundo que precisa ser entendido, precisa ser dissecado, precisa ser analisado.

Em primeiro lugar o PT surgiu como uma antítese ao Socialismo Real, pois queira (queria não quer mais) construir um Socialismo Democrático, ao absolutizar os termos não compreende que o processo político e filosófico requer uma dimensão maior, e que entre dois pontos existe um infinito de proposições, mas isso é apenas no que se refere aos conceitos de esquerda, na maior parte do tempo o PT e seu comando político sabe utilizar dessa variável a seu bel prazer, como vimos durante toda a história do PT. O próprio conceito de aliança eleitoral se molda a cada realidade e se comporta como um parasita e sobrevive em toda forma de poder.

Essa semana fui a uma palestra do Frei Beto, queria perguntar a ele sobre a morte de Carlos Marighella, mas desistir frente a muitas afirmações contraditória e sem a menor fundamentação com a realidade de nosso país, parece que da janela do convento Beto não consegue ver o Marxismo com método de análise, o vê apenas com um roteiro ou com um livro sagrado.

Contudo, ele fez uma afirmação que a eleição de Lula é produto de um acumulo de forças de 40 anos, que começa ainda na Ditadura Militar com as CEB’s, esquece que o PCB já tinha começada uma luta muito tempo antes e a esquerda nacional sempre teve como meta, sob orientação de Stálin, a subordinação a uma burguesia nacional, pois para a etapa revolucionária mundial composta pela estratégia stalinista era necessária uma revolução nacional antes da revolução socialista, o que fez que os setores da esquerda, mesmo a osmose, continuassem com essa inversão de valores na luta de classes, fez a esquerda ver como bonzinhos esses burgueses nacionais progressistas, termo absurdo e leviano!

Enfim, a carta aos Brasileiros só foi mais um capítulo dessa novela que começou antes das CEB’s que Frei Beto insiste em afirmar que foi onde tudo começou, ledo engano, ainda somos produto direto da Revolução de Outubro para o bem ou para o mal!

O Problema central nesse processo foi o abandono, não recente da perspectiva revolucionária, não é a revolução mais a estratégia central dos atuais e legais partidos de esquerda desse país, e isso não é de agora, é antigo!

A medida que a guerra fria chegava no seu apogeu ainda na década de 60 com a pirotecnia nas Baia dos Porcos, EUA e a URSS dividiam o mundo entre áreas de influência, de mercado e de consumo. A pressão que URSS fazia sobre os EUA não era e nunca foi ideológica, apenas um mecanismo de conquistar mais mercado de consumo, já que sua produção planejada cada dia era maior, e o processo de consumo global não se encaixava em suas metas produtivas, assim o mundo precisava descobrir os produtos soviéticos e a forma seria em primeiro momento fazer com que as burguesias em países em desenvolvimento ou como eram chamados essa economias de terceiro mundo, para que elas pudessem ter acesso a essas mercadorias produzidas atrás da cortina de ferro.

Logo a estratégia após a segunda guerra era ampliar sua área de influência a partir da violência e assim foi no Leste Europeu e depois articular uma estratégia política que permitisse conciliar as crescentes demandas por lutas revolucionárias no mundo a seu processo econômico e produtivo, canalizando assim dois forças, a financeira e a política para desenvolver uma teoria de revolução nacional onde pudesse dar lucro e dinheiro para essa burguesia progressista e ainda aliviar a pressão por novos mercados a partir dos dados da produção soviética de bens de consumo, basta analisar os dados referentes a produção industrial soviética com as revoluções nacionais, particularmente na Ásia e na África onde foram bem sucedidas, já que na América Latina a presença do Brasil e dos EUA não permitiam a entrada de novos concorrentes.

Deve-se destacar o papel complicado que o PCB teve que realizar em encontrar burgueses progressivos no país, alguns tiveram que ser formados pelos então stalinistas brasileiros, e assim o PCB, já em sua origem abdica de lidar com os operários e se centra na possibilidade de construir um pensamento burguês progressista no Brasil.

Bem se até aqui deu para compreender que na história da esquerda no Brasil sempre tentamos procurar em nossos algozes algumas forma de bondade, já podemos compreender o PT e sua submissão aos golpistas! Contudo deve-se aprofundar essa compreensão para entender o conceito atual que se utiliza dessa construção histórica e que permite a burocracia do PT caminhar impunimente dentro da esquerda na América Latina.

A partir do abandono do conceito de Revolução pela burocracia do PT e com a proximidade gradual com o aparato do Estado, houve uma evolução no conceito de burguesia nacional progressista, não precisava mais procurar na classe burguesa os dirigentes de uma nova etapa social, bastava encontrar neles aliados táticos, que pudessem ser eleitoralmente válido e eficaz.

Essa transformação se consolida em quase 20 de formulação do PT, o processo que antes era de disputa de hegemonia social passa para ser vitória eleitoral, pois a classe parasitária do PT tinha migrado dos sindicatos e das associações para os mandatos parlamentares, esse saldo qualitativo se deu a longas penas, afinal o mandato era do partido, e essa jornada de liberdade do mandato em relação ao partido se fez de forma, por assim dizer, “republicana”, afinal o processo eleitoral se dá em nomes e eles foram eleitos como representantes do povo para o parlamento, logo a prestação de contas se dá ao povo, a cada nova eleição!

O aperfeiçoamento fino que a burocracia do PT faz com a teoria stalinista é formidável do ponto de vista da sua inteligência, mas do ponto de vista dos interesses históricos dos explorados foi um duro golpe, pois o partido perdia a única qualidade que ainda era válida para a construção de um processo de insurreição popular. Pois o partido proposto por Lenin, e de certa forma, copiado por Stálin dava poder ao partido, o partido era ponto de recomeço e de partida de todas as ações políticas, ao subtrair do partido a iniciativa pela tomada de decisão do partido para a bancada, o PT simplesmente modificou toda a estrutura de pensamento partidária desde 1917.

O passo seguinte era fazer a transição do parlamento para os poderes executivos, primeiramente foi em âmbito municipal com a conquista de diversas prefeituras, governos estaduais e em 2002 a eleição de Lula para governar o país. Durante esse processo o PT sabotou toda a organização que o Frei Beto afirmou que começou com as CEB’s na ditadura, a UNE e a CUT viraram chapa branca e não servem mais como ponto de canalização das insatisfações populares.

Logo o PT conseguiu elaborar um mecanismo onde seus dirigentes eleitos para mandatos, tanto no executivo como no Legislativo, que não precisam prestar conta ao próprio partido!

Cabendo única e exclusivamente a prestação de contas aos poderes constituídos e assim a normalidade jurídica se fazia primaz em todas as circunstâncias da vida política do PT, sua adaptação não era meramente um processo de continuar a árdua missão de encontrar uma burguesia nacional progressista, mas sim ser o ponto de partida dessa transformação por dentro, pela via eleitoral e ainda sem precisar do partido, da desconstrução da ideia partidária o PT não precisaria mais de ajuda dos movimentos sociais, e sim das relações institucionais e das negociações estipuladas pela cultura política tupiniquim.

A presença de Renan Calheiros no palco não é simplesmente um acinte a toda história de luta do PT, é acima de tudo a vitória de um setor que se desprendeu do stalinismo e evoluiu para uma teoria própria de burocracia, e nela se engendrou mais que uma perspectiva eleitoral, se formou um exercito que precisa da eleição para sobreviver, e que seus resultados sejam a fonte de recursos para seu parasitismo estatal, assim os lemas e aspirações dos explorados não servem mais como ponte para uma realidade a ser transformada, serve apenas para se canalizar insatisfações momentâneas para se obter voto! 

Assim o PT segue, sendo golpeado pelos seus aliados momentâneos e não percebe que em sua loucura em construir políticas públicas inclusivas não resiste a sua condição de casta parasitária do aparelho público, pois a medida que se insere mais e mais pessoas no consumo e nos direitos, a percepção de casta aparece e assim, se constituiu uma nova forma de disputa política, pois a medida que as benesses de seus governos podem aparecer, essas progressão não fecha, pois esses novos setores alçados a cidadania começa uma nova progressão da superação da casta parasitária que o PT se transformou.

E assim um novo ciclo começa e o PT ao continuar andando com os golpista apenas se joga na vala comum da burguesia que tentou sem sucesso representar, e os novos ciclos surgiram, pois deles depende o progresso do sistema capitalista e o PT construir um vertigem que não permite ele enxergar para além de suas necessidade imediatas, e assim segue perseguindo o próprio rabo, com Renan e Jader a tira colo!

E assim, como acaba a meia noite o baile para Cinderela, o baile acaba para o PT quando terminar a eleição, e assim vamos caminhar entre golpes e eleições ad infinitum.





segunda-feira, 21 de agosto de 2017

A Revolução não será televisionada!

A Revolução não será televisionada!

Até quando vamos apenas chorar a morte de nossos irmãos!

Sempre soube que a Revolução não será televisionada, se me permitem o dialogo com o Documentário de Kim Bartley e Donnacha O’Briain, sobre a polêmica situação na Venezuela, por aqui em terra brasílias, o que vimos é ainda pior, mas não estou aqui para discutir o papel dos grandes veículos de comunicação em relação a manutenção do status quo vigente, de sua postura criminosa, mas acima de tudo, de seu pernicioso papel de manipular a informação e controlar o país de forma tacanha e medíocre.

A revolução não será televisionada, nem será matéria de capa de revistas de grande circulação nacional, nem será tema de novela, e nem show de realidades terão como tema Che, mas é chegado o momento de começarmos a nos preparar, chega de acreditar na boa vontade de burgueses, de banqueiros e de latifundiários, os ricos nunca fizeram nada por esse país apenas o pilharam, o roubaram e agora o extorquem através de transferências de riqueza e de impostos.

Não podemos mais simplesmente ficar de braços cruzados esperando a noite acabar, o dia voltar e sair, e assim se passa dias, meses e anos, não podemos mais acreditar na democracia deles, nas instituições deles, não podemos mais respeitar suas leis e sua ordem que massacra nosso povo!

O PT cometeu o pior erro que um partido de esquerda poderia cometer, acreditou nos seus algozes, sentar e negociar por mais que possa parecer estranho aos interesses dos explorados é um erro menor do que ter caído no canto da sereia, agora eles quebraram a dita institucionalidade, vejo que agora começa uma pequena reação, mas no sentido de se acreditar de novo, em um novo processo eleitoral, que possa milagrosamente restituir a institucionalidade, tolos e imbecis, não percebem que caminham para uma armadilha.

O que mais falta? Nossas sedes partidárias serem atacadas? O fascismo colocar seus ovos de serpente para brotarem a olho nu? O exercito está na rua matando o povo pobre e com a mínima capacidade de resistir? Eles rasgarem a Constituição? Processarem e Condenarem seu maior líder? Retirar todos os direitos e colocar o povo de joelhos com uma crise econômica?

O que falta eles fazerem para começarmos a reagir? 

A guerra está declarada e só nos resta uma corajosa saída, nos organizamos para responder a altura desse processo, não escrevo essas linhas com satisfação, não queria conclamar todos a uma guerra que não temos chance, uma luta inglória e fadada ao fracasso.

Mas a resistência precisa ganhar terreno, como disse no principio ela não será televisionada, mas pode ser transmitida pela internet, nossos sacrifícios devem ser filmados e transmitidos, um após o outro, de cada exemplo de luta temos que construir uma nova cultura revolucionária.

Do mesmo modo temos que escolher nossos caminhos, se o PT insistir em se apenas alternativa eleitoral que fique só e de joelhos aos Capitalistas, mas ainda acredito nos milhares de lutadores que estão aqui e ainda confiam no PT, mas é preciso romper com a cegueira política, é preciso agir de forma mais aguda e mais precisa, digo de novo, precisamos nos organizar, para em comitês de autodefesa, para proteger Lula, para proteger o povo que luta, mas acima de tudo para podermos reagir a violência que virá.

Não podemos caminhar como ovelhas para o abatedouro, temos que reagir e nos vingar, de cada gesto de terror, de cada violência sofrida, de cada humilhação passada!

Agora não é mais hora de se discutir qual o caminho a seguir, a forma como a burguesia e seus agentes estão tomando é de nos exterminar enquanto seres pensando e viventes, e o que está em jogo não é apenas uma ideia de justiça social ou de cidadania, o que está me jogo é o futuro de todo pensar de esquerda e digo novamente: temos que reagir!

Como começar? Ainda é vago, mas se todo mundo começar a discutir que as nossas ações devem combinar ações legais e ilegais já é um passo para se começar a resistir, além é claro dos comitês de preservação da vida, esse é o nosso debate de agora, ele é real e imediato não podemos mais fugir dele.

A brincadeira com ovos é divertida, mas ela não resolve!

E ainda sim, teve gente do PT aos berros dizendo que isso não é prática de esquerda, babacas, otários cada palavra desses charlatões coloca mais o executor e seu machado em nossos pescoços!

Está na hora de nos organizamos e discutirmos nossa reação agora, antes que seja tarde demais!

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Pedido de Desculpas que ainda não veio do Senador Paulo Rocha!

O PEDIDO DE DESCULPAS QUE AINDA NÃO VEIO DO SENADOR PAULO ROCHA, ANTECIPAMOS E ESCREVEMOS PARA ELE, COMO SUGESTÃO, MAS ACIMA DE TUDO PARA DIZER QUE OS INIMIGOS NÃO ESTÃO DESSE LADO DE CÁ, E QUE ELE AINDA PODE SER BEM VINDO A LUTA POLÍTICA DOS EXPLORADOS E PELO FORA TEMER, E CONTRA TODOS OS GOLPISTA, E QUE JOGAR OVO HOJE É A ÚNICA FORMA DE LULA NÃO IR PARA CADEIA!




Nota de Desculpas as mulheres e aos Movimentos Sociais!


Fui eleito em 1990 a Deputado Federal, depois de anos de luta social, a frente do PT e da CUT, e de diversas lutas sociais, minha origem é ligada aos trabalhadores gráficos do nosso estado, depois disso participei ativamente de toda a trajetória do PT no Pará e no Brasil, sou um parlamentar comprometido com as lutas sociais do meu povo e do meu tempo.

Nesse período reunir com diversos setores e movimentos sociais, ajudei e contribui com a organização das mulheres, LGBT’s, juventude, Trabalhadores do Campo e da Cidade, sempre fui um Senador de todos e todas.

O último dia 12 de agosto, em uma audiência pública sobre desenvolvimento socioeconômico na Câmara Municipal de Marabá, estive presente com demais autoridades, e fomos surpreendidos com uma manifestação que interrompeu a audiência pública jogando ovos na tribuna e nos parlamentares.

Vivemos no país uma crise política e institucional e lamentamos profundamente que a condução da forma de se fazer política tenha começado a descambar para a intolerância e para a violência. Mas desde o golpe contra a Presidenta democraticamente eleita Dilma, a vida de todos os brasileiros começou a piorar vertiginosamente. 

Não é a toa que o atual déficit fiscal é o maior da história. Temos os mais altos níveis de desemprego, as maiores taxas de juros, a crise política só vem aumentar mais ainda a nossa triste realidade.

Quero deixar claro que não sou contra qualquer tipo de manifestação, mas considerei exagerada a postura dos manifestantes, mas entendo que eles têm todo o direito de se manifestar, mesmo atirando ovos, é legitima a manifestação.

No primeiro momento fui contra e cheguei mesmo a me exaltar, fui ríspido e até mesmo bruto e meu tom de voz foi grosseiro e meus argumentos não estavam ligados a realidade que relatei acima, e por isso, peço desculpas, não foi minha intensão ser machista com nenhuma companheira ou companheiro, repito, peço desculpas públicas a todos e todas pela equivocada posição política, meu dever com Senador do PT é denunciar o golpe e os golpistas, e que eles sejam julgados pela justiça, pela sociedade e pela história.

Lutaremos na mesma forma para barra a reforma previdenciária e trabalhista!

Estarei ao lado de todas as manifestações que intimidem os golpistas, que coloquem eles no constrangimento de terem afastado uma presidenta eleita, e darem suporte ao Governo Temer. Assim coloco meu mandato a serviços dos explorados e de todos que estão na luta para reconduzir Lula a Presidência da República e assim o Brasil posso voltar a democracia.

Fora Temer!
Eleições Gerais Já!



sábado, 1 de julho de 2017

Quem tem medo da Greve Geral?





Temer e seus aliados não temem, inclusive eles fizeram uma arriscada mexida no tabuleiro, chamando de volta a cena o combalido e abandonado Aécio, e foram além, o homem da mala do dinheiro, que ainda não está em liberdade por ausência de tornozeleira eletrônica, enfim, depois do dia de ontem, com atos menores do que a greve passada, com um caminhar que aponta para o fim da lava jato, sem a prisão de Lula e de Aécio, a Frente Brasil Popular anseia o fim do ano, para que não seja forçada a construir mais ato mentirosos pela Diretas já, quando no seu íntimo quer mesmo que o calendário eleitoral se faça o mais rápido possível.

Essa relação de medo da Greve Geral, medo de perder o controle de um povo que a cada dia se expressa com mais vontade, pois a Greve é um instrumento educativo e que ficou paralisada enquanto a frente popular se amancebava com os políticos tradicionais, em sua espúria relação quase sexual, com o poder, não percebia que a Greve ainda é um poderoso instrumento de luta e que pode se virar a qualquer hora contra seus próprios lideres!

Seja como for, o Governo Temer saiu fortalecido nesse embate e no cabo de guerra ainda se mantém com fôlego para aprofundar as reformas trabalhista e previdenciária, o que já havíamos dito aqui anteriormente, pois o acordo entra a canalha burguesa parlamentar, a golpista, a que leva no colo as reformas e a frente popular já foram estabelecidas, se por um lado, eles não conseguiram levar a frente a prisão de Lula e a cassação do registro do PT, por outro eles levaram essas reformas até o fim.

Enquanto isso a maioria da população perderá sua aposentadoria, suas garantias trabalhista, mas não pensem que ficara só nisso, ontem no dia da Greve Temer anuncia o corte do aumento do Bolsa família, e assim as poucas conquistas de 13 anos de governo do PT são colocadas a prova, em um ano os golpistas anularam completamente o pouco avanço que o governo de frente popular cedeu aos trabalhadores.

Enquanto isso, o PT em seu último congresso, não discutiu ou avaliou o processo de eleições internas, cheio de vícios e com sintomas de fraudes em todo o país, do mesmo modo aprovou em resolução retirar a palavra Socialismo, afirmando que a prática socialista vale mais do que a palavra redigita nas resoluções do 6º Congresso, mas qual é a prática mesmo, de querer apoiar Helder Barbalho no Pará? De votar em Eunicio Oliveira para Presidente do Senado? Enfim essa é a prática dos dirigentes do PT!

Ao fazer esse pacto medíocre o PT, a Frente Brasil Popular e o Povo Sem Medo, dizem claramente que as eleições gerais é apenas uma palavra de ordem vazia e sem conteúdo, deseducando as massas, para seus interesses regionais e localizados, não há mais de fato, o interesse de ir além da institucionalidade, se Temer cai ou não cai, isso é meto detalhes, nenhum dos componentes da Frente Popular estão na ordem de sucesso, só cabe esperar 2018 para então sonhar em ganhar a eleição com Lula.

Mas as recentes pesquisas mostram que Lula não é imbatível, e que a máxima do Direito das elites se farão presentes, ”aos amigos tudo, e aos inimigos a força da lei”, e com recursos em baixa, já que mesmo liderando as pesquisa, não poderá contar com recursos de empresas em 2018, o PT tende a construir caixa 2, e nós já sabemos que ele não é tão bom assim afinal todos os esquema montados pelo PT forma revelados tão facilmente.

Por seu turno os partidos burgueses e suas legendas de alugueis estarão com a faca e o queijo na mão, eles não precisam de escrúpulos, e nem precisam se preocupar com as leis, afinal a ditadura de toga só tem uma última tarefa impedir a eleição de Lula.

Seja como for, deixar para 2018 o debate e embate política só fortalece a direita, hoje temos condições objetivas de por abaixo o governo Temer, mas isso é algo que ninguém quer! Uma pena a direção majoritária do PT, da Frente Popular e dos partidos de esquerda tradicional como o PCdoB, PSol, PSTU e PCO ficam todos os dias mudos sem denunciar o estado natural da evolução do Golpe, perdidos em suas esquizofrenias particulares e com medo de um processo de avanço do bonapartismo, prefere a omissão silenciosa de uma análise real da conjuntura, onde o governo golpista de Temer avança para atacar os interesses dos explorados em toda América Latina, como a permissão para as Tropas Americanas usarem o território amazônico para práticas de guerra, uma clara provocação ao Governo Bolivariano de Maduro. 

Quem tem medo da Greve é quem a convocou, pois ontem os golpistas disseram em alto e bom som que não tem medo de nada!